5.3.14

PROCISSÃO DA QUARTA-FEIRA DE CINZAS


TEXTO E ILUSTRAÇÃO DO LIVRO MEMÓRIAS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO DE VIVALDO COARACY


Iniciava-se a Quaresma com a Procissão de Cinzas que percorria a cidade na quarta-feira desse nome. Segundo Moreira de Azevedo, era a mais aparatosa e que maior concurso de povo atraía de quantas se celebravam no antigo Rio de Janeiro. Nem é de duvidar. Com os seus andores imponentes e ricamente ornados, com a multidão de figurantes que a compunham: "anjos", membros das irmandades em opas multicores, clero em sobrepelizes de rendas, "virgens" cantando, estandartes, maceiros, personagens simbólicos, guarda militar, acompanhamento de devotos portadores de tochas—constituía imponente espetáculo para a assistência que se comprimia ao longo das ruas por onde serpenteava o extenso préstito.

Instituída em 1647, dela se encarregavam os Terceiros da Ordem da Penitência de cujo templo partia, descendo a Ladeira de Santo Antônio. Depois de atravessar o Largo da Carioca, percorria as ruas principais do centro da cidade, visitando várias igrejas em que se detinha, para após longas horas recolher-se novamente ao Morro de Santo Antônio. Era a princípio composta de vinte andores, número que sucessivamente foi reduzido a quinze, treze e dez, sem prejuízo da riqueza e luxo com que eram adornados e da opulência da vestimenta das imagens. Desses andores o mais notável era o da imposição das chagas, com a imagem de São Francisco de Assis ajoelhado diante de um crucifixo enorme, cuja cruz se elevava acima da altura do segundo pavimento das casas. Doze homens robustos tornavam-se precisos para, com esforço, carregar esta almanjarra, honra disputada entre os Irmãos Terceiros que, no dia seguinte, exibiam aos conhecidos, com orgulho, os ombros machucados e chagados.

À saída e entrada da procissão havia salvas de mosquetaria dadas pela tropa destacada para companhá-la. E após a recolhida, a Irmandade distribuía enormes cartuchos de amêndoas, rebuçados e doces às crianças que houvessem figurado como "anjos", o que não deixava de ser mais um atrativo para a meninada empenhar-se com as respectivas famílias para comparecer nesse caráter à procissão. O pecado da gula estimulava a devoção.

Um episódio interessante é digno de registro, como exemplo de preconceito e superstição. Em 1849 deixou de figurar na procissão o andor de São Benedito que, havia dois séculos, nela sempre tivera seu lugar após o de Santa Isabel de Hungria. Naquele ano, porém, alguns Terceiros, mais suscetíveis às distinções de pigmento, cismaram que "branco não carrega negro nas costas, mesmo que seja Santo". A esdrúxula noção contaminou, por imitação ou timidez, a confraria e São Benedito não encontrou quem lhe levasse o andor. Teve que ficar abandonado e macambúzio na sacristia. Ora, nesse ano irrompeu no Rio de Janeiro a primeira grande epidemia de febre amarela que assolou cruelmente a população. Não tardaram, naturalmente, logo as beatas a propalar nas massas crédulas a afirmativa de que tão tremendo castigo era indubitável efeito da cólera vingativa do Santo ofendido. Resultado: no ano imediato, São Benedito, de manto novo de veludo, com resplendor dourado, foi reintegrado na procissão de Cinzas, com o andor pintado de novo e fartamente florido de palmas e rosas. Era uma penitência de apaziguamento. Nem por isso, porém, deixou a febre amarela de periodicamente fustigar a cidade, até que Osvaldo Cruz a extirpasse.

A procissão de Cinzas realizava-se imediatamente em seguida ao carnaval. Com o declínio que os costumes trouxeram ao sentimento religioso, derramado o espírito de irreverência, não faltaram os que nela vissem uma espécie de anexo ou encerramento dos folguedos profanos da véspera. Já havia quem a considerasse quase como um préstito carnavalesco retardado. Figuras de mascarados, que apareciam noutras procissões também, começaram a se imiscuir na de Cinzas. Desvanecia-se em grande parcela da massa popular o respeito que as cerimônias religiosas deste tipo antes inspiravam. Desvirtuou-se o caráter da procissão. Alguns dos elementos perniciosos que nela se introduziram tomavam atitudes grotescas, provocando os risos, as chufas, os gracejos de parte daqueles que, ao longo das ruas, assistiam à passagem do cortejo. Surgiram incidentes e conflitos a agravar-se de ano para ano. Os capoeiras, que infestavam a cidade, não perderam esta oportunidade de provocar as arruaças em que se compraziam. Tomou-se, cada vez com maior frequência, necessária a intervenção da força policial para manter a ordem e assegurar à procissão o seu curso.

De tal forma se acentuaram estas condições que em 1861 decidiu a Venerável Ordem Terceira da Penitência, por proposta do Ministro Manuel Gonçalves Machado, suprimir a Procissão de Cinzas que desde então não mais se realizou. Dizia-se ao tempo ter a Ordem tornado esta decisão por insinuação das próprias autoridades, a fim de evitar que estas se vissem forçadas a, no ano seguinte, proibir a saída do préstito transformado em ocasião de escândalo publico. 

Vivaldo Coaracy, Memórias da Cidade do Rio de Janeiro. A ilustração abre o capítulo "As Procissões" não sendo necessariamente da Procissão de Cinzas.

Nenhum comentário: