ENSEADA DE BOTAFOGO

ENSEADA DE BOTAFOGO
MACHADO DE ASSIS: TREZE MELHORES CONTOS
Se você tem curiosidade de ler Machado de Assis mas não sabe por onde começar ou tem medo de se decepcionar, este é o portão de entrada.
Se você já é fã do “bruxo”, tem aqui o suprassumo de sua obra, para levar no seu Kindle, tablet ou celular e ler e reler em todos os lugares: na fila de espera, no engarrafamento, no metrô, no trem, no avião, no parque, na praia, até mesmo em casa.
Mais informações clicando aqui.

1.11.12

OLHO NA BELEZA, IRMÃO! de Artur da Távola

É, meu irmão, nada diga a ninguém, mas novembro começou e, com ele, rigores de verão (deverão?). O ano acaba, sem nos darmos conta da rapidez, não faz mal. Muito está a acontecer nas árvores do Rio. É abrir olhos e coração para muita beleza. Mas precisa reparar.

Novembro traz delícias vegetais. O fícus, aquela árvore caladona, severa, monge vegetal, sem flor, enorme, só folhas e grandes galhos professores de sombras generosas (há muitos no Campo de Santana e na Praia de Botafogo), pois o discreto fícus fabrica suas bolinhas (são figuinhos do tamanho de um botão) agora por novembro. E não há delícia maior que pisá-las no chão. Ajuda a liberar as sementes e é inesquecível forma de prazer infantil.

fícus, aquela árvore caladona...
A reparar, também, que as mangas maduram a partir desta fase, seus pomos inchados de amor, suculentos, amorosos, delícia suprema. Segundo o escritor Rubem Fonseca, só se deveria comer manga nu, sentado dentro da banheira.

Novembro traz ainda florais encantamentos para o nosso Estado do Rio: alguns flamboyants abusados começam a florir, embora dezembro seja o seu mês; as acácias amarelas, pendões de ouro, começam o apogeu floral. Aleluia: ainda há casas e espaços onde poetas e sábios plantam acácias! Os hibiscos explodem flores deslumbrantes e exibicionistas, genitália à mostra e com razão, pois cada flor de hibisco só vive 24 horas.

alguns flamboyants abusados começam a florir...
as acácias amarelas, pendões de ouro...
Os hibiscos explodem flores deslumbrantes...
Os ipês calaram-se. Recolheram as flores. É época, porém, do jasmim. Tirante o de nuca de mulher depois de banho bom, não há cheiro mais delicioso que o do jasmim-do-cabo, aquele grande. Perfume de jasmim é o barato dos deuses. E há, ainda, os pequenos, a "dama da noite", por exemplo, jasmim minúsculo. E florem também neste novembro, fronteira assustadora do verão tropical, as árvores de jasmim-manga, de várias tonalidades, tesão das abelhas.

Perfume de jasmim é o barato dos deuses...
E para terminar, alerta, irmãos: as jaqueiras estão grávidas. Lindas. Reparem só. Pois assim é novembro, mês modesto e sem alardes, mas tinhoso como ele só.

Crônica publicada originalmente em O Dia de 3 de novembro de 1992.

Nenhum comentário: