7.9.12

EU SOU O SAMBA...

"Eu sou o samba
Sou natural daqui do Rio de Janeiro
Sou eu que levo a alegria
Para milhões de corações brasileiros"

Zé Keti, "A Voz do Morro"

 


Samba em oração
de Isabel Corsetti

Para que o samba purifique a todos
do sangue e lama a descer dos morros.
Que nossa voz estenda o branco manto
leve das mães o tão vertido pranto.

Dancemos muito o samba na avenida
com todo o amor, enaltecendo a vida.
Raças e cores se irmanando aos poucos
a encerrar tantos momentos loucos.

A melodia solta em alegorias,
a propagar o culto da alegria
de um país em busca da sua sorte
com harmonia — uno vibrante e forte.

E o palpitar de um batuque afora
a despertar doces paixões sem hora,
dirá que existe um povo que se preza
e o coração de uma nação que reza.

(do livro Palavras Vestidas)

O cartunista Luscar foi colaborador habitual do antigo & saudoso Pasquim, durante anos publicou tiras do Doutor Baixada no finado Jornal do Brasil e recentemente ilustrou o meu Guia da Cidade Maravilhosa.  

A primeira menção ao termo samba conhecida foi feita em 3 de fevereiro de 1838 no jornal satírico pernambucano O Carapuceiro. Mas samba significava tudo menos o ritmo que conhecemos hoje. No Rio de Janeiro, por exemplo, a palavra só passou a ser conhecida ao final do século XIX, quando era ligada aos festejos rurais, ao universo do negro e ao "norte" do país (ou seja, a Bahia).

Nos primórdios do século XX, a literatura carioca já registrava com frequência o termo samba. Cada vez mais distante de sua inspiração folclórica, as situações em que aparecia diziam respeito ao ambiente urbano e já mestiçado da cidade. O samba era comparado com o maxixe e o tango, palavras que musicalmente representavam, muitas vezes, a mesma coisa.

Aos poucos estava sendo pavimentado o terreno, ou melhor, o terreiro em que o samba iria se consolidar. Urbano, mestiço, carioca e já dispondo dos instrumentos percussivos das escolas, ele foi gradualmente eleito pela população o principal ritmo musical do Rio de Janeiro. Era o coroamento de séculos de interação etnocultural, muitas vezes conflituosa, mas sempre com poros comunicativos bem abertos.

Trecho da Introdução do Almanaque do Samba de André Diniz (Jorge Zahar Editor, 2006) 

Nenhum comentário: