21.8.06

O OUTRO LADO DA MOEDA

Está no O Dia on-line de hoje: "O engenheiro Marcos Sérgio Vancelotti, 52 anos, e sua mulher, Carla Vigorito Constância, 44 anos, foram baleados, na noite deste domingo, durante uma tentativa de assalto, na Rua Doutor Garnier, no bairro do Rocha, Zona Norte do Rio. [...]
Moradores do município de Resende, na Região do Médio Paraíba, as vítimas vieram ao Rio para visitar parentes, moradores da Rua Doutor Garnier, no Rocha. Eles foram alertados pelos próprios parentes de que deveriam retornar mais cedo por causa da violência na cidade, mas só iniciaram a viagem de volta pouco antes das 22h.
Tinham percorrido apenas alguns metros da viagem e foram abordados pelos bandidos, todos utilizando armas de grosso calibre. Após os tiros, o carro do engenheiro parou e quatro dos cinco homens ainda roubaram os pertences das vítimas, antes de fugir."
Todo dia nos jornais cariocas a gente lê notícias deprimentes como esta. E olha que é apenas a ponta do iceberg (semana passada mesmo, um turista português foi morto a facada em plena praia de Copacabana, à luz do dia, por um ladrão que lhe tentava levar a mochila). Um sem-número de assaltos a mão armada, furtos e tentativas de furtos ocorrem o tempo todo, e poucas vítimas ou quase vítimas acionam a instituição policial — "pra que, se não fazem nada mesmo?" Como uma cidade que negligencia tanto sua segurança pode pretender sediar os Jogos Pan-americanos? Será que ao menos nas próximas eleições os cariocas saberemos eleger candidatos comprometidos com a causa da segurança? Ou o populismo ganhará pela enésima vez?

9 comentários:

tatiane disse...

Ivo, amar o Rio de Janeiro é tb entender e criticar suas falhas..Nao podemos esquecer os problemas, por mais lindas sejam as imagens que vemos todos os dias..Afinal ,poesia tb se faz nas dores e tristezas, nao é mesmo??gostei do post...Abracos e Bom Dia...

Anônimo disse...

Ivo, como no filme clássico "Os Sete Samurais", a "luta" entre os samurais e os bandidos, só tomou um rumo definitivo, a favor, da população do vilarejo, quando esses resolveram reagir, em conjunto com os samurais, derrotando definitivamente os bandidos.
Reveja o filme!
Me parece bem atual e se aplica ao Rio.
Abraço
Daniel

Anônimo disse...

Ivo,
quem são, no Rio, os candidatos efetivamente comprometidos com a segurança, e que não tenham propostas de extermínio. Pergunto pra saber, mesmo, não é pergunta retórica. Diga lá!

Ivo Korytowski disse...

Respondendo: o voto é secreto, é de foro íntimo, prefiro não indicar nomes. Mas existem candidatos sérios, sim, comprometidos com as boas causas.

Anônimo disse...

Não sei se é pertinente usar este espaço para dizer que o texto de Léa Madureira é de grande delicadeza. Senti o cheiro dos doces caseiros, pois sou filha de mineira e percebi, talvez porque hoje o dia esteja nublado, o quanto o Rio mudou, tornou-se perigoso e há menos gentileza entre as pessoas.
22.08.2006
Alice Monteiro

Anônimo disse...

Ivo, venho de dias de muita violencia no Rio.
Sábado, levaram o carro do meu irmão. Graças a Deus ele está bem.
Segunda, levaram o celular da minha cunhada.
Hoje, invadiram a escola municipal da qual minha mãe é coordenadora e assaltaram ela.
Sabe quando vc não sabe mais o que fazer?
É isso que estou sentindo. Impotencia.
E a Doutor Garnier é aqui do meu lado.
Fim dos tempos Ivo...

Abraço, Taia
www.taiapuramagia.blogspot.com

Ivo Korytowski disse...

Pois é, Taia, a "ditadura" dos fora-da-lei é mais cruel e faz mais vítimas que a ditadura militar. No entanto, não vemos a mesma mobilização - da sociedade civil, dos políticos, da esquerda etc. - que vimos contra a ditadura militar. Na eleição para governador temos que escolher alguém realmente comprometido com a questão da segurança - uma questão premente. Na democracia, este é o único caminho (além de rezar).

Fã número um disse...

Oi meu caro amigo escritor!

Que bom que vc ainda confia em políticos.Eu não.
Não acredito que essa bandidagem acabe tão cedo pq na realidade,infelizmente, ela é a galinha dos ovos de ouro de muitos segmentos da sociedade.
Só nos resta mesmo é rezar, rezar e rezar.

Leo Melo disse...

O último comentário, de fã número, diz no final: "Só nos rezar, rezar, rezar..."
Errado: Nos resta é lutar, lutar e lutar.
A cidade está no ponto em que éstá por culpa nossa.