20.11.15

MORRO DA BABILÔNIA

CRÔNICA DE JOAQUIM FERREIRA DOS SANTOS PUBLICADA EM O GLOBO DE 23/3/2015 QUANDO O MORRO DA BABILÔNIA, RETRATADO NA NOVELA BABILÔNIA, ERA O "MORRO DO MOMENTO". FOTOS DO EDITOR DO BLOG TIRADAS NO INÍCIO DE NOVEMBRO DO MESMO ANO QUANDO O MORRO ABRIGOU A FLUPP, A FESTA LITERÁRIA DAS PERIFERIAS

Babilônia Black

É Camila Pitanga na garupa da moto, um espetáculo que não vai ao ar nem depois nem antes do “Jornal Nacional”. Ela tem cruzado por aqui sem tirar qualquer onda, porque de ondulada já lhe basta a cabeleira que vai ao vento.


Vista para o mar

Camila pega a Ladeira Ary Barroso, passa pela casa do próprio, reformada recentemente com uma arquitetura contemporânea, no meio da mata. Adiante tem o Bar Point da Amizade, onde está tocando “Te ensinei certim”, da Ludmilla. Na esquina, na quadra da Fapec, Camila poderia pegar à direita. Ir para o Morro do Chapéu Mangueira, onde brilha a casa de sua madrasta, a senadora Benedita. Hoje não. Camila dobra à esquerda. Vai gravar uma cena no Morro da Babilônia.


Mirante do Morro da Babilônia

Esse é o morro do momento, o real, aquele que na ficção deu nome à novela. Em 1959 serviu de cenário para “Orfeu negro”, Oscar de filme estrangeiro para o diretor francês Marcel Camus. Depois foi documentário de Eduardo Coutinho. É um morro da Zona Sul. Tia Ciata não esteve aqui. O ídolo é Junior Negão, do beach soccer, ex-morador. Um morro que não dá samba, mas seu nome sugestivo inspira outras artes.

Mirante do Morro da Babilônia

Ele fica escondido no Leme, atrás da muralha de edifícios da Avenida Atlântica, atrás ainda dos paredões de outros tantos das ruas Gustavo Sampaio e General Ribeiro da Costa. Não adianta procurar no Google Maps. Diz que é na Urca.

Copacabana vista de uma laje no morro

Camila, sempre na garupa da moto que a Globo alugou no serviço de mototáxi da comunidade (R$ 2,50), entra na Rua Um e dá de cara, digo, dá com o rosto de divinos contornos no painel de azulejos assinado por X-Dog e Plebe. São dois artistas argentinos. Em metade do mural eles se inspiraram nos dourados do austríaco Gustav Klimt. Na outra metade, nos cacos de Selarón da escadaria da Rua Joaquim Silva. Os argentinos perceberam: na babel da Babilônia, a Escola de Viena e a Lapa têm peso igual.

Cores do Morro da Babilônia

À esquerda de quem continua subindo na garupa com Camila, logo depois da obra do 11º hostel do morro, surge uma igreja batista, uma das 12 da comunidade. Na fachada, a inscrição dramática, com direito a uma cruz em vermelho: “Deus quero muito mais de ti”.


Vista para o mar II

Novela dramática é o que não falta, e para isso a atriz está aqui. Ela segue pela Rua Um até a Rampa, uma praça depois do posto da UPP. Desce da moto. Na batata da perna, sobe 48 degraus até a laje do Sandro, onde grava a cena que foi ao ar no primeiro capítulo e mostra aos pés de Camila o alumbramento carioca da curva da praia de Copacabana. No movimento da câmera para a esquerda, vê-se o cenário estupefaciente do cocuruto do Pão de Açúcar até os morros de Niterói.

Arquitetura popular, sem cálculo, sem arquiteto, sem engenheiro (e um prédio ao fundo)

O morro podia estar bem melhor. Ainda é preciso à moradora do prédio verde na Rua Um colocar na porta de casa o cartaz “Seu Porco e Sua Porca, aqui não é lixeira. Estou de olho”. Já foi pior. Isso aqui inspirou poema triste. Carlos Drummond, copacabanense da Rua Rainha Elizabeth, escreveu “à noite, do morro descem vozes que criam o terror”— e para não restar dúvida sobre que morro era, de onde vinha o som do medo, o velho bardo pôs no alto dos 15 versos o título “Morro da Babilônia”.

Vista para o mar III

O bicho já pegou geral, agora Camila Pitanga é quem sobe do asfalto para se aproximar das vozes do céu carioca. O prefeito Eduardo Paes come feijoada de frutos do mar no Bar do David, um cinco estrelas na requintada categoria carioca de gastronomia de botequim. Breve, quem também subirá pela Ladeira Ary Barroso será Bruno Gagliasso. Seu personagem na novela, Murilo, um gigolô do Leme, acrescentará a personagem de Sophie Charlotte ao seu book de prostitutas. Ele é o mal em pessoa, mas ao Babilônia isso não importa. Dá-se uma chance.

Arte ambiente

Gagliasso subirá a ladeira, mas dobrará à direita, na direção do Chapéu Mangueira. Parará no primeiro portão, o da Fapec. Ali, vai lutar muay thai, não se sabe ainda com que propósitos. Penca, um ídolo da comunidade, será o mestre dos golpes. O esporte lhe deu uma chance quando garoto de fugir das drogas, e ele agora retribui. Trabalha com 400 meninos da comunidade, uma tentativa de educar a molecada para longe das tentações. Semana passada, num intervalo das aulas, sentado num banco do ônibus do sacolão, Penca descascava uma laranja. A cada menina que passava, perguntava com carinho: “E aí, princesa, vai treinar hoje?”.

Painel de azulejos assinado por X-Dog e Plebe

Esse é o Babilônia, agora no horário nobre. Moças suíças criadas com o melhor leite A do mundo saem do hostel e passam arrastando sandálias havaianas entre policiais da UPP. Eles exibem as armas engatilhadas, parecem estressados, todos prontos para revidar um ataque suicida de traficantes sanguinários, algo que desde a ocupação pacificadora, em 2009, jamais aconteceu.

Mural Babilônia, inspirado em Selarón

 A invasão ao Babilônia agora é a das equipes de filmagem. Não tratam mais com bandidos. Combinam tudo com o produtor artístico do morro, Rafael Rodrigues, amigo de Regina Casé, dono de um book com fotos de modelos da comunidade e de cenários para set. Foi assim que a linda atriz começou a subir no lombo da moto.

Corcovado entre as nuvens

Na semana passada, Sandro, o dono da laje, já recebia propostas para transformá-la num mirante. Não parecia disposto a dividir com estranhos o seu posto privilegiado sobre o paraíso — e dali esticava o olho sobre o que ia lá embaixo, controlando do alto do Babilônia o movimento da Malhadão 22, a barraca que tem na areia do Leme. Fica ao lado da barraca da personagem de Camila Pitanga, a Ponto do Macarrão 08. São concorrentes, mas tudo na paz, tudo nessa adorável confusão carioca de nunca saber onde termina a vida real e começa o capítulo da novela.

2 comentários:

Emiliana Casagrande disse...

Obrigada, Ivo,
Você me proporcionou momentos mágicos...
Abraços
Emiliana (enviado por e-mail e inserido aqui pelo editor do blog)

Helio Brasil disse...

PARABÉNS IVO. BELO TRABALHO!
HB (enviado por e-mail)