12.11.11

UM DIA ESPECIAL


"Graças a Deus a Rocinha
que estava mal-afamada
Pelas tropas legais
hoje está sendo ocupada
Aquela comunidade
Passa a ter tranquilidade
E vai ser pacificada"

Em Um dia especial publicado em sua coluna ontem em O Globo, escreveu Merval Pereira: "Ontem foi um dia especial para o Estado do Rio, e não apenas porque estava lindo, um daqueles dias de luz, festa do sol, da canção de bossa-nova que nós cariocas gostamos de afirmar que só mesmo uma cidade como o Rio pode proporcionar. Havia razões concretas, palpáveis, para transformar o dia em especial, e não apenas vantagens intangíveis. Muitos cariocas acordaram com uma boa notícia na manchete dos jornais - outros devem ter sabido na televisão de madrugada: Nem, o chefão do tráfico da Rocinha, havia sido preso." (para ler a matéria completa clique aqui

Míriam Leitão, em sua coluna Panorama Econômico, escreveu: "A prisão do chefe do tráfico na Rocinha e a previsão de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na favela ícone do Rio são promissoras para todos os bairros, seja onde ele se encastelava, seja os bairros do entorno, mas é também uma excelente informação para o Brasil inteiro. Tráfico de drogas existe aqui e em qualquer lugar do mundo, mas no Rio o que se viu por muitos anos foi a consolidação da ideia de que em certas áreas o poder público não podia entrar; as pessoas, as empresas concessionárias de serviço público só poderiam circular se tivessem a ordem ou a aquiescência dos donos do pedaço. É intolerável no Estado de Direito que haja pedaços do país em que a circulação de pessoas e dos representantes dos poderes constituídos não possa ocorrer por determinação de autoridades estranhas à democrática." (para ler a matéria completa clique aqui

Desde a sua criação o blog Literatura & Rio de Janeiro se manifesta contra a ditadura do tráfico (clique no marcador violência abaixo para ler nossas matérias a respeito), e é com satisfação que vemos o Estado retomar os territórios dominados. Assim como Oswaldo Cruz livrou o Rio do flagelo da febre amarela, acredito que a história verá o governador Sergio Cabral (auxiliado pelo incorruptível Secretário de Segurança José Mariano Beltrame e pelos bravos policiais da banda limpa) como aquele que, enfim, devolveu a paz à Cidade Maravilhosa, livrando-a do flagelo do tráfico.

Nota: Os versos de abertura são dos cordelistas Gonçalo Pereira da Silva, Manoel Santamaria e Antônio de Araújo. Saiba mais clicando aqui.

Um comentário:

Felipepompeua disse...

Temos o melhor governador! Estamos Juntos!!!!