20.12.10

GENTILEZA GERA GENTILEZA

Texto de Clotilde Tavares originalmente publicado no  blog Umas & Outras. Fotos tiradas pelo editor do blog nas imediações da Rodoviária Novo Rio.


Seu verdadeiro nome era José Datrino, nascido em 1917. Antes de tornar-se “Profeta”, Datrino possuía uma empresa de transporte de cargas e residia, com sua família, no bairro de Guadalupe, Rio de Janeiro. Possuía muitos bens, uma casa, três terrenos, três caminhões, mas a partir de sua “revelação”, deixou tudo para a família e ganhou um nova identidade: o Profeta Gentileza que, aos poucos, tornou-se uma figura popular na cidade. Gentileza andava por vários bairros do Rio, Niterói e Baixada Fluminense e também andou pelo Brasil, pregando o amor pela natureza, a paz e… a gentileza. A partir dos anos 80, começou a inscrever mensagens nas pilastras do Viaduto do Caju, no Rio de Janeiro, formando um verdadeiro “livro” de concreto, que foi recentemente restaurado e está em processo de tombamento pela Prefeitura do Rio. O Profeta Gentileza morreu em 1996, aos 79 anos, mas o seu trabalho, pela mensagem que encerra, está sendo reconhecido por muitos setores da arte e da cultura, entre os quais a cantora Marisa Monte, que compôs e gravou uma música em sua homenagem.


Pois bem, caro leitor: o Profeta Gentileza andou por aqui [em Natal] no início da década de 1980. Lembro bem de tê-lo visto “pregando” na Praça João Maria e de ter ficado impressionada pela sua figura teatral, muito alta e muito magra, de barba e cabelos longos e grisalhos, com uma bata branca que ia até os pés e o estandarte colorido, ornamentado com flores, cataventos de papel e dísticos, que portava com distinção e firmeza. O profeta, quando andou por aqui, morava ou se hospedava no bairro de Nova Descoberta e vez por outra o via descendo a rua da Saudade, onde eu morava naquela época.


Um fato engraçado é que Ana Morena, minha filha mais nova, nessa época com uns 4 ou 5 anos de idade, estava sempre querendo fugir de casa para ir brincar na rua. Temerosa de que algo lhe acontecesse, tentei amedrontá-la: “Olhe que vem o Velho e lhe carrega, lhe bota dentro de um saco e leva para bem longe!” Incontinenti, ela respondeu: “Você mesmo disse que não existe nem Papão, nem Papa-Figo, nem Velho, que são coisas que os adultos inventam para assustar as crianças!” Fiquei assim meio sem saída, vendo confrontados meus modernos conceitos de “educação sem medo” com a necessidade de impor um limites à minha atrevida pirralha.


Nesse dilema, olho para o alto da rua e quem vejo? O Profeta Gentileza, que descia a rua da Saudade em direção à Salgado Filho. “Olhe, lá vem vindo o Velho!”, falei e apontei para ele, de estandarte e com o camisolão branco que o deixava ainda mais alto e magro. Quando Ana Morena viu aquela aparição disparou apavorada para dentro de casa e não saiu mais.


O belo e suave Profeta Gentileza, que nunca quis assustar ou fazer mal a ninguém, terminou, sem querer, encarnando o perigoso “Velho”, personagem amedrontador que deve ter povoado os pesadelos da minha filhinha durante muito tempo.


Mas isso é apenas uma pequena e engraçada história. O que fica, para nós todos, como legado desta figura sem paralelo no dia-a-dia das nossas cruéis e violentas cidades é a mensagem “Gentileza gera Gentileza”, herança amável e preciosa que precisa ser exercitada e multiplicada por todos nós.


4 comentários:

André disse...

Valeu Ivo!

Adorei as fotos e o texto sobre o Gentileza!

Foi muito bom relembrar quando eu passava de ônibus ali pela rodoviária e Pres.Vargas e via a figura do “profeta” com seu estandarte...

Obrigado.

(comentário enviado por e-mail)

Alexandre Correa disse...

Convém ler artigo do jornalista Marcelo Câmara sobre o Mito do Gentileza, como criação acadêmica: http://www.ilhaverde.net/iv/noticias.htm

Bruno disse...

O que falta ao mundo é um pouco mais de gentileza.
Ivo, parabéns por mais está conquista. Publicar um livro sempre é bom. Já teve a noite de lançamento dele? Caso não, espero ser convidado.
Vou comprar um exemplar com certeza!
Depois dê uma passada no meu blog http://visaodeumburrachosolitario.blogspot.com/
Espero sua visita e dos leitores do seu blog.
Los Burrachos estão lançando um site (http://www.losburrachos.com.br/) que estará no ar em breve.
Abrax. Inté.

amaro garcia dangelo disse...

eu tinha na época 13 anos eu ia para o circo passei na rua visconde do rio branco em frente ao extinto mercado dos pescadores. jose datrino estava estacionado com uma camionete com 6 barril de vinho ele estava muito alegre era aniverssario de casamento ele comemorava 25 vinte cinco anos de casado. quando o gran cicus norte americano pegou fogo a família dele faleceu se não me falha a memoria ele perdeu mulher e dois ou treis filhos eu tambem fui vitima do gran circus norte americano