10.12.08

BARROCO E ROCOCÓ NAS IGREJAS DO RIO

Texto de Lívia de Almeida transcrito da Veja-Rio de 3/12/08. Fotos do editor do blog.


Rio de Janeiro colonial sobrevive em meio ao burburinho do Centro


Outeiro da Glória

Rio de Janeiro colonial sobrevive em meio ao burburinho do Centro. A melhor representação desse período está no quadrilátero cujos vértices são o Outeiro da Glória, o Morro de São Bento e o que restou dos morros do Castelo e de Santo Antônio. Na região há um conjunto de vinte igrejas tombadas por seu inestimável valor histórico. Para apreciar essas relíquias da arquitetura sacra do século XVIII, basta disposição para caminhar. E conhecimento para elaborar o roteiro, que pode ser feito após a leitura do recém-lançado guia Barroco e Rococó nas Igrejas do Rio de Janeiro (R$ 90,00), das historiadoras da arte Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira e Fátima Justiniano. Editada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a obra se divide em três pequenos volumes que cabem numa bolsa. "É um verdadeiro milagre que tenha sobrevivido até hoje um patrimônio tão rico", destaca Myriam, que é conselheira do instituto.


Na região há um conjunto de vinte igrejas tombadas


a encantadora Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens

Os livros, didáticos e bem ilustrados, sugerem quatro percursos que incluem preciosidades pouco conhecidas dos cariocas, como a encantadora Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, na Rua da Alfândega. Sua ornamentação rococó permanece quase intocada desde o início do século XIX. Se o tempo for escasso, Myriam recomenda reduzir a visitação a quatro endereços. Dois deles, as igrejas de São Bento e de São Francisco da Penitência, ilustram magnificamente o estilo barroco. A Igreja do Carmo da Antiga Sé, na Praça XV, exuberante após recente restauração, e a de Santa Rita encarnam o auge do rococó. "São obras-primas", diz a historiadora.


talhas douradas elaboradíssimas


o que restou dos morros do Castelo...

No primeiro volume, é apresentado o contexto histórico, com explicações sobre as particularidades dos dois estilos associados ao período colonial. O barroco, que surgiu na Itália, ligado à Contra-Reforma, salta aos olhos pelo excesso e pela opulência nas ornamentações de interiores, em contraste com exteriores austeros. São talhas douradas elaboradíssimas, magníficas pinturas de teto, esculturas dramáticas. Toda essa volúpia visual estava a serviço da doutrinação religiosa. "Procura-se concentrar a maior quantidade de informação possível no menor espaço", explica Myriam. Embora muitos apontem o Mosteiro de São Bento como o ícone do barroco na cidade, na verdade ele exibe estilos de diferentes épocas, habilmente integrados pelos beneditinos. Para a historiadora, impressionante mesmo é a unidade estilística da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência, no Largo da Carioca, erigida entre 1726 e 1743. Trata-se de um barroco à moda de dom João V, enriquecido pelo toque dos entalhadores portugueses Manuel de Brito e Francisco Xavier de Brito.


...e de Santo Antônio


Igreja de Santa Rita

O rococó proliferou numa fase posterior. Chegou ao Rio na segunda metade do século XVIII, na época em que a cidade virava sede da colônia, e por isso foi mais difundido. Começou na França como decoração de interior de residências. Enquanto o barroco se caracteriza pela densidade e pela intensidade, o rococó é leve e iluminado. "O Rio é uma cidade rococó. Aqui tudo é festa: o ouro dá vida aos detalhes e contrasta com as paredes brancas. Há espaço para o cheio e o vazio", descreve Myriam. Na esquina da Avenida Marechal Floriano com a Rua Miguel Couto, a Igreja de Santa Rita foi a primeira a adotar o estilo em sua talha, executada entre 1753 e 1759. Ao contrário de outras construções do período, ela não sofreu acréscimos no fim do século XIX, quando o ecletismo acadêmico passou a achar pobre a presença de todo aquele espaço em branco – e decidiu preenchê-lo. No segundo volume do guia, dedicado ao entorno da Praça Quinze, as autoras chamam atenção para os enfeites acrescentados à Igreja da Ordem Terceira do Carmo. "Foi tudo preenchido", conta Myriam, mineira de São João del-Rei, há dezoito anos na cidade. "Quando cheguei, tinha dificuldade de assimilar essas mudanças. Mas no Rio até os acréscimos eram feitos com extrema perícia."

2 comentários:

Ana disse...

Fantástico, maravilhoso o teu blog... amo o Rio de Janeiro, sofro quando ele sofre... e tem sofrido tanto... lá passei os mais belos e felizes momentos de minha vida... muito bem feito, realmente único, parabéns... que bom que tem gente com tua inteligência e paciência e amor pelo Rio... (comentário recebido por e-mail)

Diana disse...

Faço minha as palavras da Ana, fantástico maravilhoso....é muito bom quando encontramos pessoas cultas e que realmente se importam...abraço