17.4.14

SEMANA SANTA

MACHADO DE ASSIS


A SEMANA foi santa — mas não foi a semana santa que eu conheci, quando tinha a idade de mocinho nascido depois da guerra do Paraguai. Deus meu! Há pessoas que nasceram depois da guerra do Paraguai! Há rapazes que fazem a barba, que namoram, que se casam, que têm filhos, e, não obstante, nasceram depois da batalha de Aquidabã! Mas então que é o tempo? É a brisa fresca e preguiçosa de outros anos, ou este tufão impetuoso que parece apostar com a eletricidade? Não há dúvida que os relógios, depois da morte de López [ditador paraguaio], andam muito mais depressa. Antigamente tinham o andar próprio de uma quadra [época] em que as notícias de Ouro Preto gastavam cinco dias para chegar ao Rio de Janeiro. [...]

As semanas santas de outro tempo eram, antes de tudo, muito mais compridas. O Domingo de Ramos valia por três. As palmas que traziam das igrejas eram muito mais verdes que as de hoje, mais e melhores. Verdadeiramente já não há verde. O verde de hoje é um amarelo escuro. A segunda-feira e a terça-feira eram lentas, não longas; não sei se percebem a diferença. Quero dizer que eram tediosas, por serem vazias. Raiava, porém, a quarta-feira de trevas; era princípio de uma série de cerimônias, e de ofícios, de procissões, sermões de lágrimas, até o sábado de aleluia, em que a alegria reaparecia, e finalmente o Domingo de Páscoa, que era a chave de ouro. [...]

Como entender, depois da passagem de Humaitá [episódio da Guerra do Paraguai], que as procissões do enterro, uma de São Francisco de Paula, outra do Carmo, eram tão compridas que não acabavam mais? Como pintar-lhes os andores, as filas de tochas inumeráveis, as Marias Behus, segundo a forma popular, centurião, e tantas outras partes da cerimônia, não contando as janelas das casas iluminadas, acolchoadas e atapetadas de moças bonitas — moças e velhas — porque já naquele tempo havia algumas pessoas velhas, mas poucas. Tudo era da idade e da cor das palmas: verde.

(Trecho de crônica publicada na revista A Semana em 25 de março de 1894)


Postagem de 2009 republicada em 2014. Foto de 1890 de Marc Ferrez e estatueta de Zé Andrade que ficava exposta na extinta mega music store Modern Sound. Clique no marcador "Machado de Assis" abaixo para ver outras postagens sobre o bruxo do Cosme Velho.

11 comentários:

Cris Zimermann disse...

Ivo, melhor o statcounter ;) e qto mais caixinhas, melhor. Deixa ficar parecendo árvore de natal que os 'presentes são mais caros' rsrs.

Acho q em outras vidas fui parente desse cara, meu humor é meio machadiano para alegria de uns e escárnio de outros hehehe.

Adorei o post!

Blogaço :)

Marilia Mota disse...

Seu blog está cada vez melhor, Ivo. História, cultura, o passado refletido no presente, a cidade, sua saga que nos identifica - você encontrou o jeito de falar de coisas importantes (sem falar nelas diretamente, sem ser chato). Meu sonho isso.
Bjs, parabéns.

Anônimo disse...

Ivo: muito bom este post! Cada vez que venho te ler, recebo uma boa surpresa.

Parabéns deste seu fã de carteirinha

Nel Meirelles
http://www.falapoetica.blogger.com.br

Mariza de Almeida Rebouças disse...

Ivo, um superlance divulgar essa crônica do Machado.Como é que você descobre essas coisas?!
Imagine Machado hoje, vendo a Semana Santa reduzida a chocolate, bacalhau e vinho? Enfim,são nossos dias, diferentes, mas que conservam a maravilhosa tradição de reunir a família no Domingo de Páscoa.
ET. Assino em baixo do comentário da Marília.

Erik disse...

Como sempre, seu blog está impecável e imperdível. [...]
Ali, você preserva tudo, literatura, conhecimento da mesma, história, é um patrimônio vivo das culturas brasileira e carioca. (enviado por e-mail)

Haroldo Netto disse...

Ivo, a crônica do Machado é de 1894, ano em que meu pai nasceu. O tempo continua a dar a impressão de que corre. Mas é tanto e tão depressa, que, pensando bem, a gente chega à conclusão de que ele não passa, nós é que passamos por ele.
Conforme aparece no livro de Ecléia Bosi, Memória e Sociedade, nas palavras do Sr. Abel:
"Mas o tempo não passa, o tempo é estático, o tempo é nós, nós é que estamos passando pelo tempo, nós nos desgastamos no tempo, deu pra compreender?"
(enviado por e-mail)

Jonas Prochownik disse...

Ivo, uma feliz Pascoa, deseja o teu amigo Jonas, extensivo aos teus familiares. Os teus Posts são da melhor qualidade.

Cris Zimermann disse...

FELIZ PÁSCOA a vc e toda sua família!

Bjsss de chocolate :)

Sêmen de Gargalo disse...

gosto do tempero cultural do seu blog. boa páscoa!

Moira disse...

Ivo
Realmente é sempre uma surpresa e delía ler seus posts.
Esta Semana Santa está divina!
Beijos
Moira

Siomara de Cássia Miranda disse...

Oi,Ivo!Eu continuo fã do seu blog!A D O R E I a postagem sobre a SEMANA SANTA no temo de MACHADO DE ASSIS!!!
Sucesso!
Siomara