1.7.17

VIAJANTES ESTRANGEIROS NO RIO DE JANEIRO: MARIA GRAHAM (1821-23)

A escritora, pintora e desenhista Lady Maria Dundas Graham Callcott (mais conhecida como Maria Graham) esteve no Brasil três vezes. Na primeira vez, acompanhou o marido em viagem até o Chile a bordo da fragata HMS Doris. Permaneceu no Rio de 15 de dezembro de 1821 a 10 de março de 1822, quando a fragata prosseguiu viagem até o destino final. Pouco depois de o navio contornar o Cabo Horn o marido de Maria morreu de febre. Em janeiro de 1823, Maria deixou o Chile para sua segunda visita ao Brasil, acompanhada de Lorde Cochrane, chegando no Rio de Janeiro em 13 de março. Em 21 de outubro de 1823 embarcou de volta à Inglaterra. Em 1824 viria pela terceira vez ao Rio, para ser preceptora da princesa Maria da Glória, como ficara combinado na estadia anterior. Embora desenvolvesse forte amizade com a Imperatriz Leopoldina, intrigas palacianas fizeram com que tivesse de deixar o Palácio, mas permaneceu na cidade, só voltando à terra natal em 1825. Os trechos a seguir são do seu DIÁRIO DE UMA VIAGEM AO BRASIL e de uma estada nesse país durante parte dos anos de 1821, 1822 e 1823, na tradução de Américo Jacobina Lacombe disponível na Brasiliana Eletrônica. Existe uma outra tradução do diário editada pela Itatiaia à venda na Estante Virtual. As ilustrações foram extraídas da edição original inglesa de 1824 que pode ser encontrada na Internet.



PRIMEIRA ESTADIA: dezembro de 1821 a março de 1822

Chegada no Rio de Janeiro
Rio de Janeiro, sábado, 15 de dezembro de 1821 — Nada do que vi até agora é comparável em beleza à baía [da Guanabara]. Nápoles, o Firth of Forth, o porto de Bombaim e Trincomalee, cada um dos quais julgava perfeito em seu gênero de beleza, todos lhe devem render preito porque esta baía excede cada uma das outras em seus vários aspectos. Altas montanhas, rochedos como colunas superpostas, florestas luxuriantes, ilhas de flores brilhantes, margens de verdura, tudo misturado com construções brancas, cada pequena eminência coroada com sua igreja ou fortaleza, navios ancorados, ou em movimento, e inúmeros barcos movimentando-se em um tão delicioso clima, tudo isso se reúne para tornar o Rio de Janeiro a cena mais encantadora que a imaginação pode conceber.

Catete como subúrbio
Segunda-feira, 17 [de dezembro] — Com o auxílio de alguns amigos de terra, obtivemos uma casa confortável num dos subúrbios do Rio, chamado Catete, do nome de um rio que corre por ele até o mar. Para esta casa trouxe meu pobre guarda-marinha doente, Langford. Confio em que o ar livre, o exercício moderado e uma dieta de leite curá-lo-ão. Fomos visitados por diversas pessoas, que todas parecem hospitaleiras e amáveis, especialmente o cônsul-geral em exercício, coronel Cunningham, e senhora.

Alimentação
Comecei a tomar conta da casa em terra. Encontramos verduras e aves muito boas, mas não baratas; as frutas são muito boas e baratas, a carne verde é barata, mas ruim; há um açougueiro monopolista e ninguém pode matar um animal, sequer para seu próprio uso, sem pagar-lhe uma licença; consequentemente, não havendo concorrência, ele fornece o mercado à sua vontade. A carne é tão má que três dias em quatro mal pode ser empregada sequer em sopa de carne. A que é fornecida no navio é tão má quanto esta. O carneiro é raro e mau. A carne de porco é muito boa e bonita. Os porcos se alimentam principalmente de mandioca e milho perto da cidade. Os mais distantes têm a vantagem da cana-de-açúcar. O peixe não é tão abundante conto o deveria ser, em vista da quantidade que existe em toda a costa, mas é muito bom. As ostras, os camarões e os caranguejos são tão bons como em toda a parte. O pão de trigo usado no Rio é feito principalmente de farinha americana e, de um modo geral, bem bom. Nem a capitania do Rio, nem as do Norte produzem trigo, mas nas terras altas de São Paulo e Minas Gerais e nas províncias do Sul, é cultivado em boa escala e com grande sucesso. O grande artigo de alimentação aqui é a farinha de mandioca. Usa-se sob a forma de um bolo largo e fino como um requinte. Mas o modo habitual de comê-la é seca. Na mesa dos ricos é usada em todos os pratos que se comem, tal como comemos pão. Os pobres empregam-na de todas as formas: sopa, papa, pão. Nenhuma refeição está completa sem ela. Depois da mandioca, o feijão é a comida predileta, preparado de todas as maneiras possíveis, porém mais frequentemente cozido com um pedacinho de carne de porco, alho, sal e pimenta. Como gulodice, desde os nobres até os escravos, doces de todas as espécies, desde as mais delicadas conservas e confeitos até as mais grosseiras preparações de melaços, são devoradas em grosso.

Laranjeiras, vendo-se no centro-direita a Bica da Rainha, existente até hoje

Passeio em Laranjeiras
Passeei a cavalo, ao lado de Langford, por um dos pequenos vales ao pé do Corcovado. É chamado Laranjeiros [Laranjeiras], por causa das numerosas árvores de laranjas que crescem dos dois lados do pequeno rio que o embeleza e o fertiliza. Logo à entrada do vale, uma pequena planície verde espraia-se para ambos os lados, através da qual corre o riacho sobre seu leito de pedras, oferecendo um lugar tentador para grupos de lavadeiras de todas as tonalidades, posto que o maior número seja de negras. E elas não enriquecem pouco o efeito pitoresco da cena. Geralmente usam um lenço vermelho ou branco em volta da cabeça, uma manta dobrada e presa sobre um ombro e passando sob o braço oposto, com uma grande saia. É a vestimenta favorita. Algumas enrolam uma manta comprida em volta delas, como os indianos. Outras usam uma feia vestimenta europeia, com um babadouro bem deselegante amarrado adiante. Em torno da planície das lavadeiras, sebes de acácias e mimosas cercam os jardins, cheios de bananeiras, laranjeiras e outras frutas, que cercam cada vila. Além destas, as plantações de café estendem-se até bem alto na montanha, cujos cumes pitorescos limitam o cenário. As casas de campo não são aqui nem grandes nem luxuosas, mas são decoradas com varandas e têm geralmente uma bela escadaria até a casa de residência do dono, junto à qual estão, ou os paióis, ou as casas dos escravos. Todas têm portão, qualquer que seja a casa, e este portão geralmente conduz ao menos a uma aleia onde se cultivam todas as espécies de flores. O Brasil é especialmente rico em esplêndidas trepadeiras e arbustos. Estes são entremeados com flores de laranja e limão, o jasmim e a rosa do oriente, de modo que o conjunto é uma massa de beleza e fragrância. É difícil saber quem mais apreciou esta manhã, se eu, ou o meu doente. Com poucas delas creio que não há doença que não desapareça.

Expansão da cidade até Botafogo com a vinda da Família Real
Os efeitos da presença da Corte em breve se fizeram sentir na cidade do Rio de Janeiro. Antes de 1808 confinava-se ela em terreno pouco mais vasto do ocupado quando foi atacada por Duguay Trouen [Trouin] em 1712 [aliás 1711]; as belas enseadas acima e abaixo dela, formadas pela baía, estavam desabitadas, exceto por alguns pescadores, enquanto os pântanos e lamaçais que a cercavam, tornavam-na extremamente suja. Um terreno perto da igreja de São Francisco de Paulo [Paula] havia sido reservado para fazer uma praça; mas apenas umas escassas 12 casas se erguiam em torno e um tanque lamacento ocupava o centro; dentro dele os negros costumavam atirar todas as imundícies da vizinhança e ainda não estava aterrado. Em um dos lados da praça começara-se a construção de um teatro, não inferior aos da Europa em tamanho e em acomodações, e colocado sob o patrocínio de São João [no local do atual Teatro João Caetano]. Várias casas magníficas ergueram-se então nas vizinhanças; a praça ficou pronta; uma outra, muito maior ficava adiante dela, num dos limites da cidade. No outro lado, entre o sopé da montanha do Corcovado, com seus contrafortes e o mar, as boas posições foram ocupadas por deliciosas casas de campo. A linda enseada de Boto Fogo (Botafogo], onde antes só havia pescadores e ciganos, tornou-se em breve um subúrbio arejado e populoso.

Corcovado

Amizade com os negros
Dezembro, 27 — Desde a excursão ao Jardim Botânico, alguns de nossos doentes começaram a melhorar; outros, que estavam bem, adoeceram. Eu não fiz senão passear a cavalo e conversar com eles, contemplar as belas vistas da vizinhança e conhecer um pouco mais os habitantes, dos quais, os mais divertidos, tanto quanto pude ver até agora, são certamente os negros que transportam as frutas e verduras para vender. Os guardas-marinha fizeram amizade com alguns. Um deles tornou-se até amigo da casa, e depois de vender as frutas de seu senhor, ganha uma pequena gratificação para ele próprio, pelos seus contos, suas danças e suas cantigas. Sua tribo, ao que parece, estava em guerra com um rei vizinho. Ele partiu para a luta ainda menino, foi feito prisioneiro e vendido. Esta é provavelmente a história de muitos, mas o nosso amigo a conta com movimento e ênfase, mostra as feridas, dança sua dança de guerra, grita sua canção bárbara, de modo que, de escravo selvagem, transforma-se em objeto de tocante interesse.

O Rio e suas praças
A cidade do Rio é uma cidade mais europeia do que Bahia ou Pernambuco. As casas são de três ou quatro pavimentos, com tetos salientes, toleravelmente belas. As ruas são estreitas, pouco mais largas do que o Corso em Roma, com o qual uma ou duas têm um ar de semelhança, especialmente nos dias de festa, quando as janelas e balcões são decorados com colchas de damasco vermelho, amarelo ou verde. Há duas praças muito belas, além da do Paço. Uma, outrora Roça [Rossio], hoje da Constituição [atual Praça Tiradentes], à qual dão uma aparência muito nobre o teatro, alguns belos quartéis e belas casas, atrás dos quais os morros e montanhas dominam dos dois lados. A outra, o Campo de Sant'Ana, é extremamente extensa mas está inacabada. Duas das ruas principais cruzam-na desde o lado do mar até a extremidade da cidade nova, com perto de uma légua; novas ruas, largas, estão-se estendendo em todas as direções. Mas estava muito cansada por sair no calor do dia para fazer mais que uma visita rápida a essas cousas. Não tive ânimo nem mesmo de ver o novo chafariz [de Paulo Fernandes], abastecido por um novo aqueduto.

Escravos
Há na cidade um ar de pressa e atividade bem agradável aos nossos olhos europeus. No entanto todos os portugueses fazem a sesta após o jantar. Os negros, tanto livres quanto escravos, parecem alegres e felizes no trabalho. Há tanta procura deles que se encontram em pleno emprego e têm, naturalmente, boa paga. Lembram aos outros aqui o menos possível a triste condição servil, a não ser quando se passa pela rua do Valongo. Então todo o tráfico de escravos surge com todos os seus horrores perante nossos olhos. De ambos os lados estão armazéns de escravos novos, chamados aqui peças, e aqui as desgraçadas criaturas ficam sujeitas a todas as misérias da vida de um negro novo: escassa dieta, exame brutal e açoite.

Mau atendimento nas lojas
Divirto-me com a visível apatia dos caixeiros brasileiros. Se estão empenhados, como atualmente não é raro, em falar de política, ou a ler jornais, ou simplesmente a gozar fresco nos fundos da loja, preferirão dizer, na maior parte das vezes, que não têm a mercadoria pedida a se levantar para procurá-la. E se o freguês insistir e apontá-la na loja, é friamente convidado a apanhá-la ele próprio e deixar o dinheiro. Isto aconteceu várias vezes enquanto procurávamos algumas ferramentas em nosso percurso ao longo da rua Direita, onde em cada duas casas há uma loja de ferragens com fornecimentos de Sheffield e Birmingham.

Extrema beleza do Rio
24 [de janeiro de 1822] — Partimos pela madrugada para a Bahia. Foi uma das belas manhãs deste belo clima, e a notável serra que fica por trás do Pão de Açúcar via-se melhor e com mais realce à luz matutina. A extrema beleza desta terra é tal que é impossível deixar de falar e pensar nela para sempre; não há curva que não apresente algum panorama tão belo quanto novo; e se um país montanhoso e pitoresco tem, realmente, mais que os outros, o poder de atrair seus habitantes, os fluminenses deveriam ser tão grandes patriotas quanto quaisquer outros no mundo.

Calor
Sexta-feira, 1° de março - O tempo está agora extremamente quente, o termômetro chega raras vezes abaixo de 88° [31oC], e tivemos a bordo 92° Fahrenheit [33,3oC] [ver postagem sobre o calor carioca neste blog clicando aqui].

Vista do Outeiro da Glória

Superioridade dos negros e mulatos
O Senhor P. é uma das poucas pessoas que encontrei a conversar no meio dos escravos, e que parece ter feito deles objeto de atenção racional e humana. Contou-me que os negros crioulos e mulatos são muito superiores em diligência aos portugueses e brasileiros, os quais, por causas não difíceis de serem imaginadas, são, pela maior parte, indolentes e ignorantes. Os negros e mulatos têm fortes motivos para esforçar-se em todos os sentidos e serem, por consequência, bem sucedidos naquilo que empreendem. São os melhores artífices e artistas. A orquestra da ópera é composta, no mínimo, de um terço de mulatos. Toda pintura decorativa, obras de talha e embutidos são feitos por eles; enfim, excelem em todas as artes de engenho mecânico.

Teatro de Ópera (Real Teatro de São João, no local do atual Teatro João Caetano)
Tendo instalado todo o mundo confortavelmente, fui à terra para a ópera, visto como é noite de benefício de um artista favorito, Rosquellas, cujo nome é conhecido em ambos os lados do Atlântico. O teatro é muito bonito, em tamanho e proporções, e alguns de nossos oficiais julgam-no tão grande quanto o de Haymarket, mas é diferente deste. Foi inaugurado a 12 de outubro de 1813, dia dos anos de Dom Pedro. Os camarotes são confortáveis, e dizem-me que a parte não vista do teatro é cômoda para os atores, vestiários, etc.; mas a maquinaria e decorações são deficientes O divertimento da noite consistiu numa comédia portuguesa muito estúpida, alternada com os atos e cenas de uma ópera de Rossini pelo Rosquellas depois da qual ele desperdiçou uma boa dose de boa execução com música muito má.

SEGUNDA ESTADIA: março a outubro de 1823

Mercado de escravos no Valongo
1° de maio — Vi hoje o Val Longo [Valongo]. É o mercado de escravos do Rio. Quase todas as casas desta longuíssima rua são um depósito de escravos. Passando pelas suas portas à noite, vi na maior parte delas bancos colocados rente às paredes, nos quais filas de jovens criaturas estavam sentadas, com as cabeças raspadas, os corpos macilentos, tendo na pele sinais de sarna recente. Em alguns lugares as pobres criaturas jazem sobre tapetes, evidentemente muito fracos para sentarem-se. Em uma casa as portas estavam fechadas até meia altura e um grupo de rapazes e moças, que não pareciam ter mais de 15 anos, e alguns muito menos, debruçavam-se sobre a meia porta e olhavam a rua com faces curiosas. Eram evidentemente negros bem novos. Ao aproximar-me deles, parece que alguma coisa a meu respeito lhes atraiu a atenção; tocavam-se uns nos outros para certificarem-se de que todos me estavam vendo e depois conversaram no dialeto africano próprio com muita vivacidade. Dirigi-me a eles e olhei-os de perto, e ainda que mais disposta a chorar. Fiz um esforço para lhes sorrir com alegria e beijei minha mão para eles; com tudo isso pareceram eles encantados; pularam e dançaram, como que retribuindo as minhas cortesias. Pobres criaturas!

Palácio de São Cristóvão. O portão do primeiro plano atualmente está na entrada do Jardim Zoológico

Palácio Imperial de São Cristóvão
Fui hoje a São Cristóvão através de uma região muito bela. O palácio, que pertenceu outrora a um convento [na verdade, foi residência dos jesuítas] é situado em terreno elevado, e construído um tanto em estilo mourisco, pintado de amarelo com molduras brancas. Tem um magnífico panorama, uma portada de pedra de Portland e o pátio plantado com salgueiros chorões, de modo a formar um conjunto de grande beleza no fundo do vale, cercado de montanhas altas e pitorescas, a maior das quais é o Beco do Perroquito [Pico do Papagaio] A vista do palácio abrange uma parte da baía, e domina uma agradável planície, flanqueada por férteis colinas, uma das quais é coroada por belos quartéis que foram outrora um estabelecimento de jesuítas. Contornando o palácio, e indo mais para o fundo, alcancei uma plantação, que me pareceu em boa ordem, e a vila dos escravos, com sua igrejinha, que me pareceu mais confortável do que poderia crer que fosse possível. A Família Imperial vive agora toda aqui e só vai à cidade para negócios oficiais ou motivos de Estado.

Mudança para Botafogo
26 de junho - Como meu amigo Doutor Dickson, que me tratou durante todo este tempo com uma amabilidade constante, me aconselhou a mudar de ares, ele e o Senhor May arranjaram-me uma casinha na praia de Botafogo, com sobrado, o que é considerado vantagem aqui, visto como o andar térreo é frequentemente um pouco úmido. Hoje o capitão Willis, do "Brazen", trouxe-me em seu barco para minha nova moradia. [...] A baía de Botafogo é certamente um dos panoramas mais belos do mundo, mas até os últimos anos suas margens eram pouco habitadas pelas classes superiores da sociedade. No ponto mais afastado há uma garganta entre a montanha do Corcovado e as montanhas que poderíamos chamar do grupo do Pão de Açúcar, garganta que conduz à lagoa de Rodrigo de Freitas, através da qual um riacho de bela água fresca corre para o mar. [Rio Berquó]

Praia Vermelha: amabilidade dos brasileiros
Comprei um cavalinho para fazer exercício, e às vezes acompanhar os rapazes nos passeios noturnos. Na última noite fui com dois deles à Praia Vermelha, e, ao encontrar o oficial da guarda no portão do forte, pedimos licença para entrar, o que, sendo concedido, entramos e passeamos por ali admirando o panorama. Era a primeira vez que eu via a pequena enseada Vermelha do lado de terra. O forte é construído exatamente sobre o istmo que une o Pão de Açúcar à terra firme. Ficamos ali sem pensar no tempo até que o sol se pôs com esplendor; voltamos então ao portão e encontramo-lo fechado, sendo que as chaves haviam sido levadas ao comandante. De modo que tive de me dirigir ao oficial de guarda que, compreendendo o que se passara, mandou que a guarda ficasse de armas na mão e foi ele próprio buscar as chaves, conduzindo-nos com a maior gentileza para fora do forte. Onde quer que estejam brasileiros, dos mais importantes aos mais ínfimos, devo dizer que sempre encontrei a maior amabilidade; desde o fidalgo, que me procura em trajes de corte, até o camponês, ou o soldado comum, todos têm-me dado oportunidade de admirar-lhes a cortesia e de lhes ser grata.

Santa Cruz
Sábado 23 [de agosto] — A manhã estava excessivamente fria, mas clara, e a vista das extensas planícies de Santa Cruz, com os rebanhos de gado, é magnífica. Os pastos estendem-se por muitas léguas de cada lado do pequeno morro em que estão colocados o Palácio e a povoação; são aqui e ali interrompidos por tufos de floresta natural; por um lado o horizonte estende-se até o mar; por todos os outros lados a vista é limitada por montanhas ou morros cobertos de florestas. O próprio Palácio ocupa o lugar do velho Colégio dos Jesuítas [atual Batalhão Vilagran Cabrita]. Três alas são modernas; a quarta contém a bela capela dos reverendíssimos padres e uns poucos aposentos aceitáveis. A parte nova foi feita pelo rei Dom João VI, mas os trabalhos se interromperam com sua partida. Os apartamentos são belos e mobiliados com conforto. Neste clima as tapeçarias de parede, quer de papel, quer de seda, estão sujeitas a rápido estrago por causa da umidade e dos insetos.

Ida a Praia Grande (Niterói) para ver um grupo de índios botocudos
Fui com Mr. Hoste e Mr. Hately, do navio de Sua Majestade "Briton", à Praia Grande, para ver um grupo de índios botocudos que lá estão agora em visita. Como se deseja civilizar esta gente por todos os modos possíveis, quando eles manifestam o desejo de visitar a vizinhança da cidade, são sempre encorajados e gentilmente recebidos, amplamente alimentados, e recebem roupas, enfeites e ornamentos como gostam. Vimos cerca de seis homens e dez mulheres com algumas crianças. As fisionomias são antes quadradas, com os ossos das maçãs muito elevados e as testas baixas e contraídas. Algumas das moças são realmente belas, de cor de cobre claro, que brilha toda quando coram; dois dos rapazes eram decididamente belos, com olhos muito escuros (a cor habitual dos olhos é a de nogueira) e narizes aquilinos; os outros estavam tão desfigurados pelos orifícios abertos em seus lábios inferiores e nos ouvidos para receber seus bárbaros ornamentos que dificilmente podemos dizer com que se pareciam. Eu pensava que o privilégio de embelezar dessa maneira o rosto era reservado aos homens mas as mulheres deste bando estão igualmente desfiguradas. Compramos, de um dos homens, uma peça da boca, medindo uma polegada e meia de diâmetro. Os ornamentos usados por esse povo são peças de madeira perfeitamente circulares que se inserem na fenda do beiço ou da orelha, como um botão, e os tornam extremamente apavorantes, especialmente quando comem. Dão à boca a aparência de uma de macaco, e a careta especial que elas provocam é tão horrendamente anormal que leva a gente a acreditar, se é que não sugeriu originalmente, nas lendas do canibalismo. A boca é ainda mais feia sem a peça nos lábios, quando aparecem os dentes e a saliva fica escorrendo.

Cemitério dos Ingleses

Cemitério dos Ingleses na antiga Praia da Gamboa
Fui hoje a cavalo ao cemitério protestante, na Praia da Gamboa, que julgo um dos lugares mais deliciosos que jamais contemplei, dominando lindo panorama, em todas as direções. Inclina-se gradualmente para a estrada ao longo da praia; no ponto mais alto há um belo edifício constituído por três peças; uma serve de lugar de reunião ou às vezes de espera para o pastor; uma de depósito para a decoração fúnebre do túmulo; e o maior, que fica entre os dois, é geralmente ocupado pelo corpo durante as poucas horas (pode ser um dia e uma noite), que neste clima podem decorrer entre a morte e o enterro [...]

Um comentário:

Anônimo disse...

Os depoimentos da Graham ajudam muito na avaliação do que era aquela sociedade na época em que a cidade se expandia para nunca mais parar.
Ótima ideia de transcrever os textos.
Helio Brasil