1.2.13

CAJU: NOSSO PRIMEIRO BALNEÁRIO

Desta janela de um velho casarão neoclássico de 1876 via-se outrora o mar.

O velho Caju já foi um balneário. Lá D. João VI tomava seus banhos medicinais. “Certa vez D. João teve uma das pernas picadas por um carrapato, quando dormia à sombra de copadas árvores. O insignificante ferimento, aparentemente sem importância, provocou-lhe depois uma incômoda inchação, e o remédio que lhe indicaram seus médicos foi banho periódico de água salgada. Estes, ele os tomava na praia da Ponta do Caju, numa quinta adquirida de José Gouveia Freire [foto abaixo], que mandou dotar de um cais e uma capela. E os tomava, por precaução, numa espécie de banheira perfurada, que os seus fâmulos metiam n'água e tiravam graças a um complicado mecanismo. Estava, assim lançada na cidade oitocentista a moda dos banhos de mar e convertido o Caju no primeiro dos nossos balneários, frequentado por todos os Bragança, desde o filho de D. Maria, a Louca, até Dom Pedro II.” (Brasil Gerson, História das ruas do Rio, p. 158) 



A Casa de Banho D. João VI (que você vê na foto acima tirada por Rejane Minato em 2007) foi objeto de uma postagem neste blog em 2010 que você pode ver aquiTrês praias banhavam o Caju




1) a de São Cristóvão, que começava no bairro do mesmo nome e avançava até o Cemitério S. Francisco Xavier (naquele tempo não existia uma Avenida Brasil separando os dois bairros)

2) a Praia do Caju, onde ficava a Ponta do Caju (o local da Casa de Banhos de D. João VI), e

3) a Praia do Retiro Saudoso, atrás dos cemitérios.

Da Praia de São Cristóvão não resta sequer o nome: corresponde à atual Rua Monsenhor Manuel Gomes. A Praia do Caju sobrevive ao menos como nome de rua, conforme você vê na placa da foto abaixo (à direita). 


"Praia do Caju"

Casinhas de madeira na antiga Praia do Caju.

Velhas casas na antiga Praia do Caju, a da direita um belo casarão neoclássico de 1876 com fachada de azulejos. Sem nenhuma proteção legal, corre o risco de ser um dia derrubado.

Da Praia do Retiro Saudoso os únicos remanescentes são a "pitoresca" colônia de pescadores no píer em frente à Praça do Mar  conhecida também como “Varal” devido às redes penduradas  e uma rua com menos de 300 metros, Rua do Retiro Saudoso, atrás do Cemitério de São Francisco Xavier.


Barco no píer em frente da Praça do Mar em foto de  2007  de Rejane Minato.

"Saco do Raposo, Retiro Saudoso", onde hoje fica a Praça do Mar, pintado por Gustavo Dall'Ara em 1911 (foto garimpada por Raul Félix na Internet).

Em suas recordações da Praça Onze, conta Samuel Malamud: “Nos meses de verão, quando o calor era demasiado, grande parte da população judaica da Praça Onze se dava ao luxo de tomar banho de mar, seguindo o exemplo de seus vizinhos não judeus. Nas madrugadas, principalmente aos sábados e domingos, famílias inteiras enchiam os bondes que levavam às margens da Baía da Guanabara, nas imediações da parte do porto denominada Ponta do Caju. [...] O movimento dos banhistas era grande e tinha-se a impressão de que se tratava de uma excursão coletiva de lazer. A algazarra era imensa. [...] Quando me lembro das águas na praia do Caju, gordurosas do óleo e sujas dos despejos dos navios cargueiros que por lá ficavam ancorados. [...] não consigo compreender como se entrava naquelas águas.” (Samuel Malamud, Recordando a Praça Onze, pág. 34) 


"Alugo pra pescaria".

O píer, os barcos e a comunidade Quinta do Caju atrás.

A garça sobre a rede de pesca e o estaleiro atrás.

Águas poluídas.

Em seu Balão Cativo, escreveu Pedro Nava: “"Do outro lado, junto ao preto poste cintado de branco, esperávamos o bonde Caju-Retiro, seguíamos por ruas coloridas, cheias de gradis prateados e beirais de louça: a de São Cristóvão, a Figueira de Melo, a Rua Bela, a Conde de Leopoldina, a praia... Nesse tempo, praia mesmo. Não tinham ainda empurrado o mar para tão longe e ainda não tinham mudado seu lindo nome para Rua Monsenhor Manuel Gomes. [...] O velho mar das velhas praias de São Cristóvão e Ponta do Caju, onde se banhavam Dom João e os nosso dois Pedros. Agora, cheio de saveiros de velas multicores." (Pedro Nava, Balão Cativo, pág. 40 na edição da José Olympio) 


Capela de São Pedro na Praça do Mar.

Praça do Mar. Observe o "balanço" improvisado com uma rede de pesca.

De bairro balneário “visceralmente ligado ao desenvolvimento do hábito do banho de mar em nossa cidade” como observa Raul Félix, o Caju tornou-se primeiro um bairro de cemitérios, depois um prolongamento da Zona Portuária e, com a abertura da Avenida Brasil, foi apartado do seu bairro irmão São Cristóvão — e a abertura posterior da Linha Vermelha e do acesso à Ponte Rio-Niterói acabou por ilhar, sitiar, isolar o Caju


Caju, bairro sitiado por elevados e vias expressas.

Além disso tudo o bairro foi degradado por um processo de favelização. Minha amiga Rejane, que é artista plástica e que já me havia conduzido por São Cristóvão, levou-me por lá. Eis o resultado. 


Praça principal do Caju.
Igreja Presbiteriana.

Casinhas na Rua Tavares Guerra. Fotos do editor do blog, exceto as duas da Rejane, marcadas.

7 comentários:

Papel de Roça disse...

Ivo obrigada pela poesia no olhar, seu cuidado na preservação de nossa memória.

Rejane S. Minato disse...

Quase todos os dias visito o seu blog, e hoje tive a surpresa de ver a postagem sobre o Caju.
Você é mesmo muito especial. Não precisava me dar tantos créditos. Já me basta ter a honra de ter sua companhia seguindo meu olhar poético.
Seu registro fantástico de memória da cidade complementa minha visão de tempo na poesia. (comentário enviado por e-mail e inserido aqui pelo editor do blog)

Noph disse...

Seria bem legal falar da história da casa de banho do séc XVIII.A quinta do Caju era dos TAVARES GUERRA.

Patrícia disse...

Fico muito feliz de ler, em seu blog, sobre um bairro tão marcante para nossa história. E fiquei ainda mais contente em rever as fotos da minha querida amiga Rejane no seu post. Uma bela parceria! Grande abraço.

Jose Roitberg disse...

Grato Amigo. Eu estava procurando informações sobre a praia do Retiro Saudoso, para poder desenrolar uma autorização do ministério do Império de 1876 permitindo o estabelecimento de um cemitério judaico na Rua da Alegria e foi complicado entender que ela começava lá na Praia do Retiro Saudoso e ia em direção a hoje, Sâo Januário. Era uma ligação fundamental da Quinta da Boa Vista, direto com esse outro lado do Caju. E passa a fazer sentido, pois a área autorizada (era particular) deveria na região onde se encontram os fundos do cemitério de São Francisco Xavier, que em 1875, não deve ter sido estabelecido com o tamanho gigantesco que atingiu posteriormente.

Adeilton R disse...

Parabéns pelo blog. Passei minha vida nesse local, caminhei, brinquei por essas ruas e conheço essas casas até por dentro.

Flávio Pessoa disse...

Parabéns pelo blog. É muito bom poder encontrar referências históricas tão bem documentadas. É fundamental olhar um pouco para trás e conhecer fatos de lugares pelo qual passamos muitas vezes e desconhecemos totalmente a sua história.