20.1.12

VIDIGAL

Placas "UPP Vidigal" e "Iluminação": os serviços públicos chegam ao Vidigal. Azulejos do projeto O Caminho dos Direitos Humanos de Françoise Schein (2001). Um conjunto de painéis desse mesmo projeto pode ser visto na entrada da estação de metrô Siqueira Campos.

Com a inauguração da UPP (a 19a da cidade) na última quarta-feira, 18 de janeiro, o Vidigal, livre da ditadura do tráfico, integra-se ao tecido da cidade, podendo agora ser normalmente visitado pelos apreciadores da “arte de flanar”. Aproveitei o feriado municipal de 20 de janeiro, dia de São Sebastião, e fui lá conferir. Aqui está o resultado.
O Vidigal é um bairro sui-generis. Embora à distância pareça uma enorme favela, existe toda uma área não-favelizada a nordeste, e existe uma zona limítrofe onde prédios de classe média e casas, como a da segunda foto a seguir, convivem com a comunidade próxima.

O Vidigal visto de baixo

Casinha à esquerda e mercado Super Rede à direita

Os agentes de Viana [Paulo Fernandes Viana, intendente geral da polícia de 1808 a 1821] eram implacáveis e truculentos. O mais famoso deles foi o Major Miguel Nunes Vidigal. Segundo-comandante da nova Guarda Real, Vidigal tornou-se o terror da malandragem carioca. Ficava à espreita nas esquinas ou aparecia de repente nas rodas de capoeira ou nos batuques em que os escravos se confraternizavam bebendo cachaça até tarde da noite. Sem se importar com qualquer procedimento legal, mandava que seus soldados prendessem e espancassem qualquer participante desse tipo de atividade — fosse um delinquente ou apenas um cidadão comum que estivesse se divertindo. Em lugar do sabre militar, os soldados de Vidigal usavam um chicote de haste longa e pesada, com tiras de couro cru nas pontas. O major também comandou pessoalmente vários assaltos a quilombos montados por escravos fugitivos nas florestas ao redor do Rio de Janeiro. Em recompensa pelos seus serviços, Vidigal recebeu de presente dos monges beneditinos, em 1820, um terreno ao pé do Morro Dois Irmãos. Invadido por barracos a partir de 1940, o terreno está hoje ocupado pela Favela do Vidigal, de onde se tem uma vista privilegiada das praias de Ipanema e do Leblon.

Trecho de 1808
de Laurentino Gomes (pp. 234-5)



Vista para o mar

Ao looonge (está vendo???) Ipanema e Arpoador

Deve ser difícil viver num lugar com uma das vistas mais bonitas da cidade  o mar à frente e a Mata Atlântica nos fundos , um comércio abundante e, agora, segurança 24 horas. E é. O Morro do Vidigal pode ser considerado a Zona Sul das favelas cariocas, mas, embora tenha as qualidades acima, está longe de ser um ambiente ordeiro. Com a chegada da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), inaugurada na quarta-feira, a favela agora clama por uma faxina geral, um choque de ordem que ponha as coisas nos seus devidos lugares. (O Globo - Rio - para ler o resto da matéria clique aqui.)

As casas sobem o morro & os fios se entrecruzam

Homem de lata. Fotos do editor do blog.

5 comentários:

As Tertulías disse...

Ivo querido, já fazia tempo que nao passava por aqui... ahhh... e minhas saudades da minha cidade natal aumentaram ainda mais! Belíssimo trabalho o seu!!! Espero te conhecer na minha próxima ida ao Rio...

Rafael Soares disse...

Acho que as favelas ainda são um dos piores estigmas da cidade. Espero que a presença do poder público traga melhorias a todos. Não as acho bonitas, mas vejo algumas com potncial, como a do Vidigal. Devo passar por lá e fazer uma trilha rumo ao Irmão Maior... deve-se ter uma vista incrível.

Teresa Souza disse...

Parabéns pelo seu blog, Ivo. Foi o Vitor Ferreira quem me indicou por termos blogs cariocas. Visite o meu quando puder.
abs.
www.orioqueeupiso.blogspot.com

Samara disse...

Oi, Ivo! Vim aqui comentar pra agradecer seu trabalho no dicionário do Babylon, ele é muito melhor do que qualquer outro dicionário inglês-português que eu já vi, e eu uso ele muito pra fazer minhas traduções. Enfim, excelente trabalho, e excelente blog também! Super abraço

Ivo Korytowski disse...

Samara, o meu dicionário é realmente bom, tanto é que além de seu criador também sou seu constante usuário. Mas a versão que está no servidor do Babylon é velha. Não deixe de fazer download da versão mais recente. Veja as instruções no cabeçalho deste próprio blog.