15.5.17

BARRA DE GUARATIBA

Casas, telhados, barcos...

Buraco no muro

Manoel Teixeira, simpático guia local (atrás dele, painel em seu bar com fotografias da história de Barra de Guaratiba)

Restinga de Marambaia

Capela de Nossa Senhora da Saúde no Morro da Vendinha, de 1750, aproximadamente. Missas no último domingo de cada mês, de manhã cedo.

MATÉRIA DE CLÁUDIA BELÉM PUBLICADA NO JORNAL DE BAIRRO DE O GLOBO DE 23/7/1989 SOBRE O LIVRO (HOJE RARO) BARRA DE GUARATIBA: SUA VIDA, SEU POVO, SEU PASSADO, DE FRANCISCO ALVES SIQUEIRA, CONHECIDO COMO SEU CHIQUINHO

A colonização de Barra de Guaratiba foi iniciada em 1579, com Manoel Velloso Espinha, que morava na antiga Vila de Santos e conseguiu a doação das terras através de sesmarias. Havia índios na região, mas foram expulsos pelos homens brancos, que aos poucos tomaram a terra.

Segundo os documentos encontrados por Francisco, em 1750 já havia muitos escravos na região, que pertenciam ao donatário da terra, Dom Fradique de Quevedo Rondon, que no mesmo ano doou parte delas para a matriz de São Salvador.

Francisco também descobriu, através de suas pesquisas, que há indícios de que em 1710 houve uma invasão francesa da cidade do Rio através de Barra de Guaratiba. Comandados pelo corsário Duclerc, os franceses teriam sido vencidos pela própria natureza, que dificultou o acesso ao Centro da cidade.

A atual igreja de Nossa Senhora da Saúde, que fica no alto do morro da Vendinha, nasceu de uma casa de orações. Já a Igreja de Nossa Senhora das Dores foi construído em 1776. Todo o material e os operários vieram de Parati e de Angra dos Reis de barco – o único meio de transporte naquela época que alcançava Barra de Guaratiba. Os moradores viviam de seus próprios recursos, sem poderem contar com o apoio externo.

Foi assim até o início do século [XX], quando foi instalado o trem que ligava o bairro a Campo Grande. Em 1928, o então Presidente Washington Luiz mandou abrir uma estrada ligando Barra a Ilha de Guaratiba. Até meados da década de 60, o bairro também era assistido pelo bonde.

Uma das histórias que Francisco conta em seu livro faz parte, até hoje, do lendário da Barra. Uma noite, no início do século, um grupo de pescadores saiu para um local chamado parcel [leito do mar de pouca profundidade]. Quando já estavam no pesqueiro, começou um forte nevoeiro. Sem saber o que fazer, os pescadores se perderam em discussões. No grupo, estava uma das figuras mais conhecidas na região, seu Bitinho, avô de Francisco. Experimentado nas manhas do mar, ele decidiu que o melhor a fazer era seguir para o porto do Rio de Janeiro. Mas a dúvida era grande, pois não havia como se guiar. Pela bússola, seu Bitinho conseguiu ir até o Rio, onde esperaram o amanhecer para voltar à Barra em segurança.

Algumas outras histórias típicas de conversas de pescadores fazem parte do livro. Francisco conta que em 11 de julho de 1984 uma lula pesando cinco quilos e semimorta foi encontrada na beira da água pelo pescador Atílio Soares. Francisco mostra uma foto que não mente: a lula é mais alta que o neto do pescador, que tinha 3 anos na época.


Morador de Barra de Guaratiba em frente à sua casa

Vista do camping Barra de Guaratiba

Restinga de Marambaia

Telhados e flores

Escadinhas no Morro da Vendinha

TRECHO DO CAPÍTULO VII, "A INVASÃO", DO LIVRO A INVASÃO FRANCESA DO BRASIL DE ANDRÉ LUIS MANSUR E RONALDO MORAIS

Situada ao pé de alguns morros, a praia de Barra de Guaratiba é bastante frequentada hoje por moradores da Zona Oeste do Rio. De mar aberto, é um pouco agitada e, provavelmente, de desembarque difícil para os navios da época de Du Clerc. Mas talvez exatamente por este motivo era o único trecho do litoral carioca desguarnecido. Como o comandante francês sabia disso? O escritor francês Henry Malo, em trabalho apresentado no I Congresso de História da Expansão Portuguesa no Mundo, afirma, apoiado em documentos consultados no Arquivo Colonial de Lisboa, que quatro negros fugidos de plantações subiram a bordo da Nau Capitânia, fundeada na Baía da Ilha Grande, e indicaram ao comandante francês a praia da Barra de Guaratiba como o melhor local para a invasão. Outros documentos, inclusive franceses, confirmam a informação.

O desembarque foi feito na manhã de 11 de setembro, uma data que três séculos depois seria sempre lembrada pelo ataque terrorista às torres do World Trade Center, nos Estados Unidos. Acredita-se que os franceses entraram com seus navios pelo canal que separa a parte leste da Restinga da Marambaia da terra firme. A dúvida é se os navios ficaram ancorados na própria praia da Barra de Guaratiba, de mar aberto, ou se entraram pela Baía de Sepetiba, de águas bem mais calmas. Desembarcados, enfrentaram apenas alguns tiros de mosquete dados por moradores, que fugiram logo em seguida.

Quando olharam para os morros em frente à praia, os franceses devem ter pressentido a série de dificuldades que teriam pela frente, a uma distância de cerca de 40 quilômetros do centro da cidade através de montanhas, vegetação espessa e carregando pesados armamentos.

Informado pelo Capitão de Cavalos Joseph Ferreira Barreto, responsável pela defesa de Guaratiba até Santa Cruz, o governador Francisco de Castro Morais soube do desembarque francês já na noite de 11 de setembro. [...]

Como não foi encontrado nenhum diário da viagem de Du Clerc, não se sabe exatamente qual caminho os franceses tomaram, mas o mais indicado é que eles tenham evitado as montanhas, devido às dificuldades logísticas, e seguido pelas matas, passando pela serra da Grota Funda e chegando ao Engenho da Vargem dos Padres de São Bento e depois ao Engenho do Camorim, os dois, segundo a documentação da época, saqueados pelos corsários. As munições podiam ser transportadas individualmente ou em pequenos carros puxados por homens, mas peças grandes de desembarque, como canhões, ficaram nos navios para serem utilizadas como apoio às batalhas aguardadas para o centro da cidade. Isso, é claro, se os franceses conseguissem ocupar as fortalezas da Baía de Guanabara, o que abriria caminho para a entrada da esquadra.

Embora não haja nenhum relato, há suspeita de que os corsários tenham saqueado o Convento do Carmo, em Pedra de Guaratiba, bem perto dali e que possuía fazenda, gado, cavalos e um engenho de açúcar.


Capela de Nossa Senhora das Dores no Caminho dos Pescadores

O mar

Barquinho

Casas morro acima. Fotos do editor do blog.

Um comentário:

André Luis Mansur disse...

Excelente, Ivo, Barra de Guaratiba está muito bem representada neste matéria. Vou divulgar bastante. Abração!