12.8.05

O SOCORRO & PRECIOSIDADES ENTRE TÚMULOS


O SOCORRO
Millôr Fernandes

Ele foi cavando, foi cavando, cavando, pois sua profissão - coveiro - era cavar. Mas, de repente, na distração do ofício que amava, percebeu que cavara de mais. Tentou sair da cova e não conseguiu. Levantou o olhar para cima e viu que, sozinho, não conseguiria sair. Gritou. Ninguém atendeu. Gritou mais forte. Ninguém veio. Enlouqueceu de gritar, cansou de esbravejar, desistiu com a noite. Sentou-se no fundo da cova, desesperado.
A noite chegou, subiu, fez-se o silêncio das horas tardas. Bateu o frio da madrugada e, na noite escura, não se ouvia mais um som humano, embora o cemitério estivesse cheio dos pipilos e coaxares naturais dos matos. Só pouco depois da meia-noite é que lá vieram uns passos. Deitado no fundo da cova o coveiro gritou. Os passos se aproximaram. Uma cabeça ébria apareceu lá em cima, perguntou o que havia: "O que é que há?"
O coveiro então gritou, desesperado: "Tire-me daqui, por favor. Estou com um frio terrível!". "Mas coitado!" - condoeu-se o bêbado. - "Tem toda razão de estar com frio. Alguém tirou a terra toda de cima de você, meu pobre mortinho!".
E, pegando na pá, encheu-a de terra e pôs-se a cobri-lo cuidadosamente.

Moral: Nos momentos graves é preciso verificar muito bem para quem se apela.

Publicado no site La Insignia em 5 de agosto de 2005.




PRECIOSIDADES ENTRE TÚMULOS

O cemitério Père Lachaise, em Paris, é dos pontos turísticos mais visitados da cidade. Lá, residem ilustres como Frédéric Chopin, Allan Kardec entre outros. Mais próximo de nós, o Cemitério de la Recoleta, em Buenos Aires, tornou-se parada obrigatória, desde que guarda os restos mortais de Evita Perón.

Pensando nos atrativos culturais que trazem turistas a estes locais, o professor Bayard Boiteux, diretor do curso de Turismo da UniverCidade, criou um programa de visitação para o Cemitério São João Batista, em Botafogo.
Fundado em 1852, o Cemitério São João Batista é cravejado de suntuosos túmulos das famílias abastadas fluminenses. Entre os famosos, estão Afonso Penna, Luís Carlos Prestes, Carmem Miranda, Santos Dumont, Clara Nunes, Ary Barroso e Cazuza, além de condes e barões.

- A abundância de arte sacra, cuidadosamente esculpida em mármore e granito, nos dá a impressão de estarmos num museu e não num cemitério - observa a guia do programa, Ivonise Santos.

Na alameda principal, um festival de estátuas em bronze recebe o visitante. Os túmulos que beiram a privilegiada via podem custar mais de R$ 160 mil, segundo Ivonise.

Deitado à sombra de uma palmeira, como profetizou nos versos de Sabiá, figura a sepultura de João Francisco Lontra Brasileiro de Almeida Jobim (1979-1988), ou simplesmente, Tom Jobim. Sobre o mármore, as palavras do poeta: "Longa é a arte, tão breve é a vida". Do outro lado da ruela, réplicas da Pietá, São Miguel Arcanjo e São Geraldo atraem o olhar.

Próximo ao cruzeiro - monumento em cruz que marca as principais alamedas do cemitério - encontra-se um túmulo ousado: trata-se do mausoléu do pai da aviação, Alberto Santos Dumont (1837-1932), composto de uma imensa rocha de granito e uma estátua de um homem-pássaro. Mais adiante, aparece a assinatura de Carmen Miranda (1909-1955) estampada em seu túmulo.

O sepulcro de Ary Barroso (1903-1964), nos lembra famosas composições do artista: representações de Aquarela do Brasil e No tabuleiro da baiana. À direita, quase na Capela, flores coloridas velam o jazigo do poeta Cazuza (1958-1990). Sobre o tampo, a inscrição "O tempo não pára".

- Já vim ao São João Batista outras vezes. Gosto de conhecer esses lugares, são museus diferentes, a céu aberto - elogia o geógrafo Luis Roberto Nina, que já costuma visitar cemitérios.

Extraído do Jornal do Brasil de 12 de setembro de 2004.




Fotos do Cemitério São João Batista do editor do blog

8 comentários:

marcinhooo disse...

paaaaaaaaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!!!!!!!
ta mto manero o blog!!!!!!!
sucesso ai vai ficar famoso nos 4 cantos do mundo hahahahahaha
um abraço!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Querido amigo,

Eu já tinha ouvido falar neste passeio que é uma aula de costumes, arquitetura, filosofia, história e etc. Vale a pena fazer o Cemitério São João Batista tem inúmeras riquezas em escultura. Muito bem lembrado...
Beijos

Moira

Neila disse...

Oi querido amigo Ivo, ...


A crônica de Millor Fernandes é 10!

Nossa, que tétrica ... imagina!



Abraços Poéticos e Musicais, ...
Neila B. Pereira

JHausen disse...

Um barato seu blog, meu caro.
JHausen

Edmílson Caminha disse...

Prezado Ivo,

Parabéns pelo blog, inteligente e substancioso. Grato por me permitir compartilhar a homenagem ao nosso grande Drummond...

Também gosto de visitar cemitérios, que me dão paz e quietude interior. No Père Lachaise, encontrei Proust, Chopin, Baudelaire, Maria Callas, Isadora Duncan... No de Montparnasse, onde novamente estive a pouco, revi Sartre & Simone, Maupassant, Cortázar e descobri, agora, que lá também repousam Ionesco e Susan Sontag.

Quanto ao nosso São João Batista, uma observação: parece-me que o João Francisco Lontra Jobim, a quem Você se refere, não é o Tom, mas o filho dele com Ana Lontra, tragicamente desaparecido, por volta dos 18 anos, em acidente de carro aí no Rio. Veja se é isso mesmo.

Abraço fraterno do amigo e leitor

Edmílson Caminha

archano disse...

Muito bom que pessoas como o senhor esteja tentando desmistificar e fazer com que as pessoas visitem mais os cemiterios como fonte de cultura, pois alem de historia temos belissimas obras de arte sacra e gotica adentro desses locais. Estou a fazer um trabalho para minha faculdade de turismo sobre os tumulos a serem visitados no São João Batista e esta muito dificil encontrar material, se alguem souber de onde posso encontrar essas informações por favor contactar-me pelo email: archano@bol.com.br

Muito obrigado e parabens pela iniciativa!!!

abraço a todos os leitores!

Rodrigo Santos.:

Glaucia disse...

Olá Ivo...
Estava vagando pela net e me deparei com o seu blog, é maravilhoso!!! Estou conhecendo o RJ sem sair de SP.
Aprecio muito os cemtérios brasileiros e logo irei conhecer o São João Batista. Também fotografo bens abandonados em SP. Entre o site: www.saopauloabandonada.com.br

Abraços!!!

Marilia disse...

parabéns pelo blog, quanto ao túmulo de João Francisco Lontra Jobim, só pode ser o filho de Tom Jobim, já que o mesmo nasceu em 1927 e morreu em 1996.